Juiz Federal realiza visita na Vila Becker e Canal do Anhaia – Matéria de 17 /09/2014 – Ainda aguardando solução até Agora …….

Como um cenário de guerra, os moradores da Vila Becker, estão vivendo ao meio de escombros, lixos e entulhos colocando em risco a vida das crianças, que brincam ao meio dos ferros e restos de casas que ainda sobraram na região. Desde o ano passado, mais de 100 famílias que moravam na vila e no Canal do Anhaia, foram realocadas para o bairro Porto Seguro com casas construídas pela Companhia de Habitação do Paraná ( Cohapar
Juiz Federal realiza passeio na vila Becker e no Canal do Anhaia para verificar a realidade dos moradores. Foto: Bianca Garmtter
Juiz Federal realiza passeio na vila Becker e no 
Canal do Anhaia para verificar a realidade dos moradores. 
Foto: Bianca Garmtter

Como um cenário de guerra, os moradores da Vila Becker, estão vivendo ao meio de escombros, lixos e entulhos colocando em risco a vida das crianças, que brincam ao meio dos ferros e restos de casas que ainda sobraram na região. Desde o ano passado, mais de 100 famílias que moravam na vila e no Canal do Anhaia, foram realocadas para o bairro Porto Seguro com casas construídas pela Companhia de Habitação do Paraná ( Cohapar).

Na segunda-feira ( 14), os advogados Hermann IV, Napoleão, o Ministério Público além do Juíz Federal Guilherme Roman Borges, estiveram no bairro realizando uma visita para mostrar a situação dos bairros. Muitos moradores não aceitaram a realocação devido a metragem das casas oferecidas pelo governo.

sam_1627
De acordo com o Advogado Hermann VI, no ano de 2008 o 
Ministério Público entrou com uma ação civil pública 
pelo fato de ter ocorrido um vazamento no Terminal de
 Álcool público que fica ao lado da Vila.

“Em 2012 O Ministério Público junto com a Administração dos Portos do Paraná ( APPA) fecharam um acordo para desativar o terminal de álcool e retirar todas as empresas, um acordo que eu não consegui entender muito bem até hoje. Quem assumiu essa responsabilidade foi a APPA e o Instituto ambiental do Paraná ( IAP), onde no acordo, eles determinaram que ia ser feito um estudo de impacto de vizinhança e também do impacto ambiental dentro do Porto de Paranaguá, que não tem inclusive esse licenciamento. O prazo era de 180 dias para fazer isso e para se justificassem teriam mais 180 dias para montar o laudo, além de compensar toda a população daquela região”, afirma o advogado.

Ainda de acordo com ele, a população que mora nessa região, vive com risco dos poluentes tóxicos despejados pela empresa que se localiza no bairro. “Em estudos realizados pela Universidade Federal do Paraná mostra que os poluentes são extremamente tóxicos, onde as crianças e as famílias que moram na Vila Becker e no Canal do Anahaia estão sendo envenenadas. O Juiz não tinha o conhecimento do que estava acontecendo dentro dessa região, e por na ter esse conhecimento ele determinou uma inspeção judicial”, afirma Hermann.
Para quem mora na região os problemas são muitos. Além da intoxicação pela fumaça, com a realocação das famílias, o cenário do local ficou ainda mais complicado. Nos entulhos se escondem ratos e bichos peçonhentos, além de colocar em risco as crianças que brincam no meio de ferros e entulhos.

Crianças brincam no meio dos entulhos e acabam se machucando. Na foto Menino foi pegar uma pipa e acabou se cortando com material metálico. Foto: Bianca Garmatter
Crianças brincam no meio dos entulhos e acabam se machucando. 
Na foto Menino foi pegar uma pipa e acabou se cortando com 
material metálico. Foto: Bianca Garmatter

Moradora da vila há 15 anos, a empresária Simone aparecida Leone, está exigindo providências das autoridades. “Nós tivemos dois acidentes graves a cerca de um mês com duas crianças aqui do bairro. Uma delas caiu nos entulhos e ficou internado, outro menino fincou uma barra de ferro na altura do tornozelo, ficou sete dias no hospital”, afirma a moradora que pede pela limpeza e retirada dos entulhos no local. “Isso é uma forma de nos pressionar para abandonar as nossas casas e ir embora, mas não vamos sair por que sabemos que temos os nossos direitos. Queremos uma indenização justa, escolher onde queremos morar e comprar a casa do nosso jeito”, conclui Leone.

))) Bianca Garmatter – Via Juiz Federal realiza visita na Vila Becker e Canal do Anhaia – Eco Curitiba. Foto Capa e nome advogados do blog

Anúncios