Ministério Público diz que o governo repassou irregularmente R$ 500 bi ao BNDES


E procuradores abrem investigação sobre empréstimo do banco ao governo da Venezuela

SUBTERFÚGIO O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e a representação do Ministério Público. A representação fala em “fatos graves” e “irregularidades” (Foto: Daryan Dornelles/Ed. Globo)

SUBTERFÚGIO O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e a representação do Ministério Público. A representação fala em “fatos graves” e “irregularidades” (Foto: Daryan Dornelles/Ed. Globo)
SUBTERFÚGIO O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e a representação 
do Ministério Público. 
A representação fala em “fatos graves” e “irregularidades” 
(Foto: Daryan Dornelles/Ed. Globo)

No dia 14 de abril, o economista Luciano Coutinho, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, esteve no Senado para explicar os empréstimos do maior guichê do capitalismo de Estado brasileiro. Citou o apoio a 91 dos 100 maiores grupos nacionais, o financiamento à metade de todos os investimentos em infraestrutura no país e o estoque de empréstimo da ordem de R$ 263 bilhões, correspondente a 11% do PIB. Foi chamado 44 vezes de presidente. Chamou meia dúzia de senadores de Vossa Excelência. Talvez para mostrar quem está acima de quem no poder político brasileiro. Continuar lendo

Anúncios